terça-feira, 22 de junho de 2010

O Medo do Novo

Houve uma época que considero como sendo o auge de minha vida. Eu estava rodeado de amigos, estava envolvido em atividades que me traziam verdadeira alegria e satisfação, era incapaz de me apegar à tristeza e solidão e sabia valorizar as pequenas coisas. Em outras palavras: houve uma época que eu era feliz.
Porém aprendi de forma dura que o tempo passa, as circunstâncias mudam e o mesmo acontece com as pessoas. Aos poucos fui deixando de estar cercado por amigos(sabia que no fundo eles estariam por perto quando eu precisasse), o mundo girou, as coisas aconteceram e não soube lidar com tudo isso.
Parei minha vida, fui perdendo o ânimo, desistindo de meus sonhos, me afastando dos amigos, me afundando em tristeza e solidão.
Por muito tempo permaneci nesse estado emocional sem fazer o mínimo esforço para sair dele. Então depois de muito pensar percebi que errei em não querer mudar, não ousar o novo, não acreditar que não poderia ser feliz em outras circunstâncias.

P.S.1.: Já tou com net novamente, aos poucos irei retomando as atividades.
P.S.2.: Me sigam no twitter

7 comentários:

Eduardo Montanari disse...

Pelo amor de Deus Levi, você escreveu esse texto para mim. Me perdoa se eu estiver errado, mas somos muito parecidos em alguns aspectos, sentimos as mesmas coisas.
Eu estou justamente passando por esse pesadelo agora. me afastei de tudo e todos, estou muito decepcionado com as pessoas e sinto que a cada dia afundo mais. E isso é desesperador. Meu Deus!

Marcos Mariano disse...

Amigo só posso te dar os parabéns
pois são poucos que conseguem enchergar que apesar do mundo ser redondo a vida não é um circulo fechado,quando agente entende isso e sai do circulo que nós mesmos fechamos ao nosso redor tudo muda,existe um mundo la fora esperando por nós,novos amigos,novos anbientes,em fim é só sair da bolha em que nos enfiamos.

parabéns amigo siga em frente

Marcelo A. disse...

Isso é engraçado. De um modo geral, as pessoas tendem a achar que foram mais felizes em determinadas épocas de suas vidas. Noutro dia pensava nisso, quando peguei me lembrando dos anos de 2002 a 2004. Adivinha o motivo pelo qual me lembro tanto desses anos? Não é difícil, né? Uahhahahha!!!

Mas é sério: você parece mesmo, às vezes, querer se afastar das pessoas. Foi assim com o nosso grupo. A gente tinha altas discussões sobre cinema e um monte de coisa e aí, sem mais nem menos, parou de falar conosco e até deixou de fazer parte do UOPM. E ficamos nós - Preá, Luís e eu - sem entender nada. Mas como você sempre diz, "eu sou assim mesmo, tio"!

Bola pra frente, Perigoso! E pra quê medo do novo? Como diz uma música: "o novo sempre vem"...

Israel França disse...

Quantos desse amigos bons não estão mais entre nós? Medo do novo é estar precavido com ameaças, armadilhas postas por aqueles que dizem ser nossos melhores amigos. É preciso se policiar sempre, porque, se não é nós que se afasta, um dia acaba sendo eles.

Houve uma época em que eu tinha muitos "amigos". Era o tempo de escola. Nunca pensei que eu ia dizer isso um dia, mas, vou dizer: vamos aproveitar esses momentos. Deixar vício para lá, as estranhas manias, vamos dá mais atenção aos amigos e a nós mesmos. Hoje vivo mais em casa, e não vou a escola, porque já terminei os estudos. Fico só pensando, como era bom aquela época em que eu tinha "medo do novo".

Israel França disse...

Mas concordo que devemos nos afastar de vez em quando para que percebam o quanto somos "importantes"(ou igual a todos e não inferior). Já consideramos tantos amigos, dividimos bolo, deixamos abrir nossa geladeira, emprestamos nossa bicicleta, mas poucos estão dando o devido valor que merecemos. E há vezes que precisamos ser atingidos umas dez vezes pela mesma pessoa para que possamos acordar. Aos poucos vamos vivemos, aprendendo, selecionando amigos, e descobrindo quem realmente merece estar conosco.

Sumie disse...

Levi,acho que todos nós já passamos por essa fase do auge,rodeado de amigos.
Mas esse é o ciclo da vida,uma hora eles fogem da gente outra hora nós é que fugimos deles.
Bjs!

Giovanna disse...

Sou da opinião contrária, acho que não tem que ter medo do novo, tem mais é que se arriscar e se jogar... experimenta!
http://experimentamente.wordpress.com

abraço